Direcção de Recrutamento

DORH

ARMORIAL: JOSÉ MANUEL PEDROSO DA SILVA
ILUMINURA: JOSÉ ESTÉVENS COLAÇO
Aprovação: Despacho n.º 236 do CEME de 21 de Setembro de 1999
Publicação das Armas:
 Ordem do Exército nº 12/1999 (1ª série) – pp. 581-583

ARMAS:
ESCUDO: cortado trevado de verde e de prata.
ELMO militar de prata, forrado de vermelho, a três quartos para a dextra.
CORREIA de vermelho perfilada de ouro.
PAQUIFE E VIROL: de verde e de prata.
TIMBRE: um galo cantante de prata.
DIVISA: num listel de prata, ondulado, sotoposto ao escudo, em letras de negro, maiúsculas, estilo elzevir:
“POIS QUE A PAZ SE TURVOU QUE TOMEM ARMAS”.

SIMBOLOGIA:
O VERDE: cor repousante, suavizadora e humana, em sintonia com a juventude, simboliza a renovação perpétua do ciclo natural da vida
A PRATA: que no seu conceito primitivo, em sânscrito, significava branco e brilhante – candidus – é a cor do candidato, daquele que vai mudar de condição
O TREVADO: lembra as folhas do trevo que, tradicionalmente, se ligam ao factor “sorte” e, historicamente, à expressão ir “às sortes” que corresponde, actualmente, às provas de classificação e selecção
AS TRÊS PEÇAS: aludem aos três ramos das Forças Armadas
O GALO: símbolo da luz nascente, de vigilância guerreira, de coragem quer ainda pela segurança com que anuncia o nascer do Sol
A DIVISA: “POIS QUE A PAZ SE TURVOU QUE TOMEM ARMAS”, (Versão em português da ENEIDA de VIRGÍLIO, Canto VII, V.V. 467 e 468) alude à decisão tomada por TURNO, chefe de um povo do LÁCIO, preterido em favor do estrangeiro ENEIAS, de tomar armas em defesa da sua terra natal.

SIGNIFICADO DOS ESMALTES:
A PRATA: esperança e pureza
O VERDE: fé e idade juvenil

DORH

O Prédio Militar da Avenida de França, (PMAF) está ancorado junto a um dos principais eixos de tráfego da cidade do Porto, a Avenida da Boavista que termina na Praça Mouzinho de Albuquerque, (Rotunda da Boavista).
Situado numa localização privilegiada, junto á Estação do Metro “Casa da Música” encontra-se rodeado por locais e edifícios de interesse publico, nomeadamente a Casa da Música, o edifício Capitólio, o Palácio de Cristal, a Fundação de Serralves e o Parque da Cidade que se encontram a poucos minutos de distância.

O espaço foi dividido em oito pisos, (seis andares e duas caves), ocupados por vários Órgãos do Exército… Direcção de Obtenção de Recursos Humanos; Centro de Recrutamento do Porto; Direcção de Justiça e Disciplina, Policia Judiciária Militar

000

Mesmo ao lado da estação de metro Casa da Música no Porto encontra-se o edifício que alojou a DORH, desde Agosto de 2006, no Prédio Militar da Avenida de França (PMAF) n.º 235, 2º Andar.

Este edifício foi adquirido em 20 de Setembro de 1976 para colmatar a alienação de três velhos quartéis da cidade do Porto, (Quartel da Torre da Marca, junto ao Palácio de Cristal; Quartel das Portas do Sol, à Praça da Batalha; Quartel de S. Bento ou das Taipas, junto ao Jardim da Cordoaria)
(Despacho n.º 12555/MDN/2006)

DIRECÇÃO DE OBTENÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

DORH

ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA
(Via Exército.pt)

Durante o período da Monarquia a organização militar era constituída pelas forças da coroa.
Já no período do regime republicano, no ano de 1911 é aprovada uma lei de recrutamento para o Exército, fundamentando assim as suas bases, ficando este trabalho a cargo de várias Direcções que dependiam da Direcção Geral da Secretaria da Guerra.
Por Decreto publicado a 25 de Maio de 1911 a Secretaria da Guerra foi organizada em duas Direcções Gerais, 1.ª e 2.ª, sob as ordens de dois Oficiais Generais
Por Decreto n.º 11856 de 5 de Janeiro de 1926, a 1.ª Direcção Geral ocupava-se de todos os assuntos que respeitam a pessoal.
O Decreto n.º 16407 de 19 Janeiro publicado em 25 de Janeiro de 1929 altera o Decreto n.º 11856, dizendo que a 1.ª Direção Geral depende do Ministério da Guerra, que funcionará sob as ordens de um Oficial General, que se denominará Ajudante – General.
Em 19 de Novembro de 1959 é publicado O Decreto-Lei n.º 42564 de 7 de Outubro, com a organização geral do Ministério do Exército. Desta organização faz parte um órgão designado Direção do Serviço de Pessoal;

No ano de 1988, sob a orientação do Brigadeiro Eurico António Sales Grade é elaborada a Informação n.º 8/88 de 18 de Janeiro, da DSP, que sugere a criação de uma Direção ou Chefia do Serviço de Recrutamento.
Em 1989 é criada uma Comissão Instaladora da Direção de Recrutamento, no Quartel da Graça, inicialmente presidida pelo Coronel Bilro, e em 01 de Fevereiro passou a presidir à Comissão Instaladora o Brigadeiro José António Silvestre Martins.

Com a publicação do Decreto-Lei 50/93 de 26 Fevereiro, o Exército faz uma grande reorganização e surge a Direção de Recrutamento (DR) integrada no Comando do Pessoal e na dependência direta do General Comandante do Pessoal, designado Ajudante-General do Exército.

Através do Decreto Regulamentar n.º 44/94 de 02 de Setembro, são publicadas as atribuições, competências e organização da Direcção de Recrutamento.

Por Despacho n.º 12555/2006 do MDN de 24 de Maio é alterada a designação e a localização da DR, passando a designar-se Direção de Obtenção de Recursos Humanos (DORH) e com assento no Porto, tornando-se esta alteração efectiva pela Diretiva n.º123/06 de 06 de Junho, do CEME.

O Decreto Regulamentar n.º 11/2015 de 31 de Julho, extingue a Direção de Obtenção de Recursos Humanos, passando a mesma a  ser parte integrante da Direção de Administração de Recursos Hmanos (DARH), como Repartição de Recrutamento (RR) conforme Quadro Orgânico 03.01.02 aprovado em 23 de Junho de 2015 plo General CEME.

DORH

DIA FESTIVO

O dia festivo da DORH, que se comemorava em 12 de Setembro, aprovado pelo Diretor da Direção de História e Cultura Militar (DHCM), por Despacho de 20 de Junho de 1995, passou a comemorar-se em conjunto, num único dia Festivo, o “Dia do Comando do Pessoal”, conforme Despacho n.º 53/CEME/2009, de 13 de Março de 2009.

PATRONO

A Direcção de Obtenção de Recursos Humanos tem como Patrono o Visconde de S. Januário. Comemora-se no dia 12 de Setembro o dia de S. Januário. Foi a figura do Visconde de São Januário institucionalizada como Patrono da Direcção de Recrutamento pelo Despacho n.º 109/CEME/2005 do General CEME.

DORH 3

VISÃO E MISSÃO

À Direcção de Obtenção de Recursos Humanos incumbe propor, dirigir e coordenar as operações de execução do recenseamento militar dos recursos humanos destinados aos três ramos das Forças Armadas e as do recrutamento normal, excepcional e especial dos recursos humanos destinados a satisfazer as necessidades do Exército, bem como colaborar na realização do Dia da Defesa Nacional. Compete, em especial, à Direcção de Obtenção de Recursos Humanos:

Dirigir e coordenar a execução das operações relativas ao recenseamento militar e, no âmbito do Exército, ao Dia da Defesa Nacional;

Dirigir e coordenar a execução das operações relativas ao recrutamento normal para o Exército, com vista à satisfação das necessidades de pessoal nos regimes de voluntariado e de contrato, ao recrutamento especial, para a satisfação das necessidades de pessoal para a prestação de serviço efectivo voluntário nos quadros permanentes, e ao recrutamento excepcional, para satisfação das necessidades fundamentais do Exército;

Dirigir e coordenar a actividade do Centro de Psicologia Aplicada do Exército, tendo em vista a preparação de métodos e técnicas a usar nos gabinetes de classificação e selecção e o tratamento estatístico de dados;

Dirigir e coordenar a actividade dos centros de recrutamento, dos gabinetes de atendimento ao público e dos gabinetes de classificação e seleção, com vista à realização oportuna das operações de recrutamento e à normalização e correção dos procedimentos adoptados, tanto no âmbito interno como nas relações com os órgãos civis intervenientes;

Assegurar o controlo dos cidadãos na situação de reserva de recrutamento e de reserva de disponibilidade;

Instruir os processos de adiamento e dispensa do cumprimento de deveres militares, bem como preparar e encaminhar para as autoridades competentes os processos relativos às situações de incumprimento de deveres militares;

Promover a divulgação dos concursos de admissão para o recrutamento normal;

Elaborar propostas de regulamentos, manuais e instruções sobre matérias do âmbito das suas atribuições;

Planear e coordenar a execução das acções de promoção e divulgação da prestação do serviço militar em regime de voluntariado e contrato e nos quadros permanentes no Exército;

Desenvolver a produção de material de apoio à promoção e divulgação dos regimes de voluntariado e de contrato e executar acções de divulgação em eventos de dimensão nacional.

Legislação de Suporte

A missão atribuída à DORH está definida no Decreto Regulamentar n.º 74/2007 de 02 de Julho de 2007 que define a missão, competência e estrutura desta Direção e foi publicada no DR – 1.ª série, N.º 125 de 02 de Julho de 2007.

DORH

ÚLTIMA ACTUALIZAÇÃO: 27/05/2016

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s