Regimento de Lanceiros nº 2

RL 2

ARMORIAL: JORGE GUERREIRO VICENTE
ILUMINURA: JOSÉ ESTÉVENS COLAÇO
Aprovação: Despacho s/nº do CEME de 27 de Janeiro de 2015
Publicação das Armas:
 Ordem do Exército nº 02/2015 (1ª série) de 28 de Fevereiro 2015 -pp. 46-48
ALTERAÇÕES: A 11 de Dezembro de 2008 foi feito Membro-Honorário da Ordem Militar de Avis. Passa a ostentar a Cruz da Ordem Militar de Avis com que foi condecorada por Alvará (extrato) nº 5/2009 de 14 de Janeiro da Chancelaria das Ordens Honorificas Portuguesas, Presidência da República.
Publicado em Diário da República, (2.ª série) nº 19 de 28 de Janeiro de 2009, com título de Membro Honorário da Ordem Militar de Avis o Regimento de Lanceiros N.º 2

ARMAS:
ESCUDO: de ouro, duas lanças, com bandeiras de duas pontas, tudo de vermelho, passadas em aspa, brocante sobre o cruzamento uma caveira de negro com as cavidades orbitais e nasal e dentes de prata, tendo sotoposto duas tíbias passadas em aspa, também de negro
ELMO: militar de prata, forrado de vermelho, a três quartos para a dextra
CORREIA: de vermelho, perfilada de ouro
PAQUIFE E VIROL: de ouro e de vermelho
TIMBRE: pescoço e cabeça de cavalo, de negro, animado e com narinas de vermelho
CONDECORAÇÃO: Sotoposta ao escudo a cruz da Ordem Militar de Avis
DIVISA: num listel de prata, ondulado, sotoposto ao escudo, em letras de negro, maiúsculas, de estilo elzevir
“MORTE OU GLÓRIA”

SIMBOLOGIA:
AS LANÇAS: em cruz, sotopostas à caveira e às tíbias consubstanciam o paradigma de clara vitória da vida sobre a morte.
O OURO: do campo atribui a aura de glória ao herói, a sua própria transfiguração infinita e eterna.
-Constitui com o timbre uma sigla que expressa a perenidade da força do espírito sobre a matéria: o homem na sua harmoniosa união mística com o impetuoso cavalo.
O CAVALO: alude directamente a Lisboa cujo étimo advém, segundo Plínio o Velho de Aulissippo local de reunião de cavalos.
– Tal simbologia confere ao Regimento de Lanceiros de Lisboa um perfil que os seus cavaleiros,
os seus lanceiros traçaram, merecendo assim a legenda “MORTE OU GLÓRIA”, que é a sua divisa atual.

SIGNIFICADO DOS ESMALTES:
O OURO: a fé, a nobreza, a força
A PRATA: o sentido da esperança
O VERMELHO: o valor, a vitória, a audácia, a grandeza de alma
O NEGRO: a firmeza, a virtude

ARMAS DO REGIMENTO DE LANCEIROS DE LISBOA
(Com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos )

Aprovação: “Portaria” de 11 de Agosto de 1980
Publicação das Armas: Ordem do Exército nº 09/1980 – (1ª série) pp. 659-661
NOTA: O 1º Volume do Armorial do Exército Português (1992-1996) Não menciona na descrição heráldica das Armas do RL 2 a Medalha de Ouro de Serviços Distintos que este ostenta por Direito Próprio. Medalha atribuída à Companhia de Policia Militar (CPM) 8247 em Angola: Publicado na Ordem do Exército nº 21/78 (2ª Série) de 01 de Novembro de 1978

RL 2

REGIMENTOS DE LANCEIROS nº 2

rl2

SÍNTESE:

O Regimento de Lanceiros de Lisboa (RLL), teve origem em 1884 no Regimento de Cavalaria nº 2 (RC 2-Lisboa) Em 1888, mudou de designação para Regimento nº 2 de Cavalaria do Príncipe Dom Carlos e em 1890 para Regimento de Cavalaria nº 2 Lanceiros D’El rei, em virtude de D. Carlos I ter subido ao trono em Dezembro de 1887. Voltou à designação de Regimento de Cavalaria 2 (RC 2) em 1899 Em 1948, passou a designar-se Regimento de Lanceiros nº 2 (RL 2) A 1 de Abril 1975, foi-lhe atribuída a designação de Regimento de Polícia Militar (RPM), na sequência da revolução do 25 de Abril de 1974, o regimento vive uma fase de instabilidade, a que, tal como em outras ocasiões anteriores, não será alheia a sua localização geográfica, próximo dos centros de poder. Em 1976, regressa à designação de Regimento de Lanceiros de Lisboa (RLL)
O regresso à estabilidade, a partir de 25 de Novembro de 1975, permite que a 9 de Fevereiro de 1976 a especialidade de PM se passe a designar por Polícia do Exército (PE) Em 1993, na reorganização do Exército, a sua designação regressa à forma numérica tradicional, voltando a designar-se: Regimento de Lanceiros N.º 2 (RL2).

É Herdeiro das Tradições Militares da seguinte Unidade:

  • Regimento de Cavalaria nº 2 Lanceiros da Rainha, criado em 1833 em Lisboa e extinto em 1884

É Fiel depositário das tradições Militares das seguintes Unidades:

  • Regimento de Cavalaria nº 1 (RC 1) com origem no regimento de Cavalaria de Alcântara em 1717 Alcântara e extinto em 1834 em Lisboa
  • Regimento de Cavalaria nº 7 (RC 7), com origem no regimento de Cavalaria do Cais em 1715 em Lisboa
  • O RC 7, com origem no Regimento de Cavalaria nº 10 (RC 10) em 1834 em Vendas Novas – Aveiro e extinto em 1975 em Lisboa
  • Centro de Instrução de Polícia do Exército, criado em 1979 em Portalegre e extinto em 1985

Das Unidades antecessoras com Ligação a este Regimento destacam-se:

  • O Destacamento do regimento de Cavalaria de Alcântara e do regimento de Cavalaria do cais que fizeram parte das forças com que o Conde de Lippe interveio na campanha da “Guerra Fantástica” de 1762
  • O RC 2 que durante a 1º Guerra Mundial (1914-1918) mobilizou para França 1 Grupo de Esquadrões de Cavalaria
  • Desde 1954 até 1960, o RL 2 mobilizou para o Estado da Índia em Esquadrão de Reconhecimento
  • As Companhias de Polícia Militar que nas Campanhas do Ultramar (1971/74), desempenharam funções de relevo destacando-se a CPM nº 8247 em Angola
  • o RL 2 que durante a Guerra do Ultramar (1961-1974) Mobilizou para:
    – Angola: 21 Companhias de Polícia MIlitar e 19 Pelotões de Polícia Militar
    – Guiné: 7 Companhias de Polícia Militar e 6 pelotões de Polícia Militar
    – Moçambique: 20 Companhias de Polícia Militar
  • O RC 7 que na mesma ocasião mobilizou para:
    – Angola: 6 Batalhões de Cavalaria – 31 Companhias de Cavalaria e 2 pelotões de Reconhecimento
    – Guiné: 4 Batalhões de Cavalaria – 22 Companhias de Cavalaria – 4 Esquadrões de reconhecimento e 5 Pelotões de Reconhecimento.

CONDECORAÇÕES:
Por Herança:
– Atribuída ao Regimento de Cavalaria 6 em Espanha, 1853/1837 – Oficio da Secretaria de Estado dos Negócios da Guerra de 28 Junho de 1837, OE n.º 38 de 06 de Julho de 1837.

Por Direito Próprio:
– Medalha de Ouro de Serviços Distintos com Palma,concedida à Companhia de Policia Militar (CPM) 8247 em Angola (1961-1974) In: OE n.º 21, 2ª Série de 01NOV1978.

– Ordem Militar de Avis a 06 Fevereiro 2009

LEGENDAS:
Por Citações, Louvores ou Condecorações têm atribuídas as seguintes Legendas:

Direito Próprio:
– Angola – (1961-1974) – (CPM nº 8247)

Herança:
– Espanha – (1835-1837) – (RC 2 Lanceiros da Rainha)

RL 2

A Parada do Regimento de Lanceiros nº 2 (na Calçada da Ajuda)

O regresso à estabilidade, a partir de 25 de Novembro de 1975, permite que a 9 de Fevereiro de 1976 a especialidade de PM se passe a designar por Polícia do Exército (PE) Em 1993, na reorganização do Exército, a sua designação regressa à forma numérica tradicional, voltando a designar-se: Regimento de Lanceiros N.º 2 (RL2).

CRONOLOGIA: 

rl207 de Fevereiro de 1833 – O Regimento de Lanceiros da Rainha constitui-se como Unidade através do Decreto-Lei de 31 Janeiro de 1833 em OE de 07 Fevereiro de 1883

18 de Julho de 1834 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. Reorganização após o final da Guerra Civil, Decreto-Lei de 18JUL1834 e OD n.º 236 de 11AGO1834.

04 de Julho de 1837 – Regimento de Cavalaria 2, Santarém (eventual). Reorganização do Exército criando oito Regimentos de Cavalaria, quatro de Lanceiros e quatro de Caçadores a cavalo.

26 de Novembro de 1844 – Regimento de Cavalaria 2 – Lanceiros da Rainha, Ajuda – Lisboa. Decreto-Lei de 26NOV1844 e OE n.º 51 de 02DEC1844.

30 de Setembro de 1884 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. O Regimento é dissolvido devido a actos de insubordinação em 22 de Setembro, OE n.º 16 de 27SET1884.

01 de Outubro de 1884 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. É de novo criado um Regimento de Cavalaria que vai receber o N.º 2, as mesmas armas e as mesmas instalações, Decreto de 30SET1884 e OE n.º 17 de 01OUT1884. Em 1888, D. Luís I ordenou que o Regimento passasse a designar-se por Regimento de Cavalaria 2 do Príncipe D. Carlos, em homenagem ao príncipe herdeiro, facto este que, com a subida daquele ao trono, levou a que dois anos mais tarde se alterasse de novo a designação para Regimento de Cavalaria 2 – Lanceiros D’ El Rei. O despertar colonial nos finais do século XIX e as ameaças às nossas colónias, obrigaram ao envio de forças do Regimento em expedições à Índia em 1896 e a Moçambique em 1901.

RL 2

31 de Outubro de 1888 – Regimento de Cavalaria 2 do Príncipe D. Carlos, Ajuda – Lisboa. Decreto-Lei de 31OUT1888 e OE n.º 26 de 03NOV1888.

05 de Março de 1890 – Regimento de Cavalaria 2, Lanceiros D’El-Rei, Ajuda – Lisboa. A subida ao trono de D. Carlos levou à alteração da sua designação, Decreto 05MAR1890 e OE n.º 11 de 08MAR1890 Com a implantação da República em 1910, apesar de ser então considerado o Regimento mais aristocrático do País, e de durante a Revolução se ter batido ao lado das forças monárquicas, a Unidade não foi extinta, tendo apenas voltado à designação de Regimento de Cavalaria 2, com a reforma do Exército de 1911.

04/05 de Outubro de 1910 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. O Regimento coloca-se ao lado das forças leais à monarquia, combatendo com as forças de Paiva Couceiro os republicanos O eclodir da I Guerra Mundial e a posterior entrada de Portugal no conflito, mobilizou um grupo de Esquadrões deste Regimento que viriam a integrar o corpo expedicionário enviado à Flandres. O Ministro da Guerra louvou a força “pela forma correcta e reveladora do notável zelo com que se apresentaram”. A imposição das circunstâncias do teatro de operações, obrigou à renúncia do tradicional emprego com sub unidades montadas, o que não impediu que na Guerra de Trincheiras, os homens deste Regimento brilhassem uma vez mais.

rl217 de Janeiro de 1917 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. Embarque para França das forças incorporadas no CEP (dois Esquadrões). Durante a década de quarenta, com a dotação de novos equipamentos motorizados, o Regimento evolui no sentido de se constituir como Unidade Blindada de Reconhecimento, equipando-se inicialmente com a Auto-Metralhadora Humber , e já na década de cinquenta, com carros de combate ligeiros M5Stuart .

1943 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. O Regimento é dotado com a Auto-Metralhadora Humber e com Carros de Combate Valentine .

1945 – Regimento de Cavalaria 2, Ajuda – Lisboa. Em 1948 o Regimento readquire o direito de ter na sua denominação oficial a menção da sua arma tradicional, passando a intitular-se Regimento de Lanceiros 2. É retomada a designação de Lanceiros, Despacho de 14AGO1948 e OE n.º 5 de 03AGO1948 – 1ª Série.

Com a criação da Polícia Militar (PM) em 1953, sendo a sua missão atribuída ao Regimento, cumulativamente com as tradicionais da arma, iniciou-se por essa altura, com a constituição de uma Companhia de Polícia Militar (CPM), um serviço que se estende até aos nossos dias, e que gradualmente foi vinculando o Regimento à específica missão da PM. Neste âmbito, durante as campanhas do Ultramar de 1961 a 1975, sessenta e sete CPM e cinquenta e quatro Pelotões de PM, num total de cerca de oito mil homens foram mobilizados para as diferentes Províncias Ultramarinas, muito contribuindo para os êxitos alcançados pelo Exército Português, prestando inegáveis e prestigiosos serviços que honraram as tradições do Regimento. Disso são testemunho os seus mortos e feridos em campanha, as referências elogiosas, os vários louvores e a condecoração da CPM 8247 com a Medalha de Ouro de Serviços Distintos com Palma.

Na sequência da revolução do 25 de Abril de 1974, o regimento vive uma fase de instabilidade, a que, tal como em outras ocasiões anteriores, não será alheia a sua localização geográfica, próximo dos centros de poder. A sua designação, inclusivamente, volta a ser alterada em 1 de Abril de 1975 para Regimento de PM.

1993 – Na reorganização do Exército, a sua designação regressa à forma numérica tradicional, voltando a ser o Regimento de Lanceiros N.º 2.

2008 – A 11 de Dezembro o Regimento de Lanceiro nº 2 é feito Membro-Honorário da Ordem Militar de Avis

2012 – O Regimento de Lanceiros n°2 apronta e projecta uma Companhia de Force Protection, integrando forças do Corpo de Fuzileiros e de Polícia do Exército, com destino ao Teatro de Operações do Afeganistão, sendo responsável pela segurança e controlo de acessos ao Aeroporto de Kabul.
no âmbito dos compromissos assumidos internacionalmente, o regimento apronta uma Companhia de Polícia Militar (Military Police Company, abreviado MP Coy), para se constituir como NATO Response Force no período de stand-by de 2013, a MP Coy/NRF 2013.

2015 – O Regimento de Lanceiros 2 é transferido do Quartel da Calçada da Ajuda para o Quartel da Amadora ocupando as Instalações da extinta Unidade de Apoio da Área Militar Amadora Sintra

RL 2

 *  *  *

RL 2

REGIMENTO DE LANCEIROS 2 Porta Código de Honra do GPE Década de 80

Regimento de Lanceiros 2 – Porta Código de Honra do GPE (Anos 80)

Land Rover PM modelo de 1970,recuperado pelo Comando e a Secção de Manutenção do RL2.Apresentado no Dia da Unidade em 2010

Land Rover PM modelo de 1970,recuperado pelo Comando e a Secção de Manutenção do RL2.Apresentado no Dia da Unidade em 2010

Regimento de Lanceiros nº2 Ao centro Principe D.Luis Filipe como Porta Estandarte do Regimento e respectiva Escolta.

Regimento de Lanceiros nº 2 Ao centro Príncipe D. Luís Filipe como Porta Estandarte do Regimento e respectiva Escolta.

 *  *  *

COMEMORAÇÃO DO 181º ANIVERSÁRIO DO RL 2 – (2014)
(Fotografia: Carlos Vilas)

RL2

COMEMORAÇÃO DO 181º ANIVERSÁRIO DO RL 2 – (2014)
(Fotografias de: José Manuel Amado Santos)
Clique nas fotos para uma melhor visualização

rl2

ASSOCIAÇÃO DE LANCEIROS
001

É uma Associação sem fins lucrativos, que foi constituída por um grupo de Antigos Oficiais em 20 de Setembro de 1994 sob a denominação de Associação de Antigos Oficiais de Lanceiros (AAOL), passando a designar-se por Associação de Lanceiros (AL), em 10 de Março de 2010, englobando todas as classes, Oficiais, Sargentos e Praças).

associação de lanceiros

Temos como objectivos fomentar o convívio e reforçar os laços de camaradagem e solidariedade entre os Associados, Lanceiros que prestaram ou prestam serviço no Regimento de Lanceiros nº2, no Centro de Instrução de Polícia do Exército (CIPE) e no Exército Português ou que se encontrem destacados, em vários teatros de operações ou missões oficiais (incluindo as de paz), tanto em território nacional, como no estrangeiro. Estabelecer adequada comunicação, entre os nossos  associados, através da publicação de revistas e outras de cariz militar, promover encontros regulares e diversificados, aí se incluindo também a prática desportiva com outras Unidades Militares, reforçar os laços de camaradagem e de solidariedade, celebrar as efemérides da história do Regimento de Lanceiros 2, incluindo as relativas à Arma de Cavalaria da qual a maioria dos Associados é oriunda e à qual pertence, e também às do Exército a nível nacional, ramo das Forças Armadas em que se integra a Unidade, manter vivo, na sociedade portuguesa, o culto e o respeito pela prática e seus valores militares, como expressão mais elevada dos próprios deveres cívicos, contribuindo para a existência de um salutar clima de confiança, amizade, compreensão, abertura e de mútuo entendimento entre o País, a Sociedade civil e as suas Forças Armadas, promover e participar em acções e parcerias de interesse social, sem qualquer objectivo financeiro e/ou contrapartida material para a Associação, mas de forma a apoiar, em cada momento e desinteressadamente, os mais carenciados e desfavorecidos (militares ou civis) em conformidade com as disponibilidades materiais da Associação e pelos meios mais convenientes e adequados aos critérios de contribuição e de distribuição definidos pela Direcção Nacional quanto à sua selecção e atribuição.

Informação e Fotografia: Associação de Lanceiros
Site Oficial: http://alanceiros.wix.com/associacaolanceiros
Página no Oficial no Facebook

MURAL DA MEMÓRIA NO QUARTEL DA AMADORA

MONUMENTOS DO RL 2

RL 2
9/11/2015 – Foto: (Associação de Lanceiros) Imagem do início da montagem das placas memoriais no Monumento aos Mortos pela Pátria, o qual foi construído de raiz nas novas instalações do Regimento de Lanceiros Nº. 2 na Amadora. Na outra foto, pormenor da identificação do limite das instalações na antiga estrada militar, entre a Amadora e Queluz

O QUARTEL NA AMADORA

2016

19 de Fevereiro 2016

Comemorações do 183º aniversário do RL 2, e pela primeira vez no Quartel da Amadora
Cerimónia Militar foi presidida pelo Exmo. Chefe do Estado-Maior do Exército, General Carlos António Corbal Hernandez Jerónimo.
Do programa das Comemorações, constaram uma Guarda de Honra à Alta Entidade (AE) que presidiu à cerimónia, a Homenagem aos Mortos pela Pátria, inauguração do “Mural da Memória”, leitura do Código de Honra do Lanceiro, alocuções alusivas ao Dia da Unidade, proferidas pelo Exmo. Comandante do RL2 e pelo Exmo. Chefe do Estado-Maior do Exército e da imposição de condecorações. A Cerimónia Militar terminou com o desfile das forças em parada em continência à AE, um desfile histórico e uma demonstração de capacidades do Grupo de Polícia do Exército. Após a cerimónia militar, decorreu a abertura da Coleção Visitável “Os Lanceiros Portugueses” e as entidades presentes foram convidadas para um almoço convívio onde se fomentou a sã camaradagem e a convivência entre os Lanceiros de diversas gerações e de todos os convidados. Para encerrar as cerimónias, foi clamado de forma fervorosa o “Grito do Lanceiro”
Clique nas fotos para uma melhor visualização

25 de Abril 2016

Os Lanceiros na Homenagem ao Tenente Coronel Salgueiro Maia em Santarém

RL2

LINKS ÚTEIS:

 

ÚLTIMA ACTUALIZAÇÃO:
13 de Maio de 2016

Anúncios

6 pensamentos sobre “Regimento de Lanceiros nº 2

  1. Em relação à cronologia, em 1984 quando prestei serviço militar como PE, já as instalações tinham a designação como RL2, Regimento de Lanceiros 2 e não como é descrito só em 1993.

    Liked by 1 person

  2. em 1962 estive no quartel calçada da ajuda,embarquei em fevereiro para angola companhia 150 fui render um cabo eu sou o 842/61-estive lá até outubro de 1963,várias escoltas,mudámos de quartel para s.salvador do congo aonde terminámos,o 3ºpelotão da companhia 150 ,fomos abandonados por estes democratas de meia tijela,

    Gostar

Deixe uma Resposta para João José Barata Baptista Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s